O “EL Classico” versão 2020

 

É o maior espectáculo de futebol de clubes do mundo. É a rivalidade líder em audiências em todo o mundo, é o jogo com os planteis mais caros do mundo. É o maior luxo do futebol mundial, representado pelos dois emblemas de maior sucesso mundial. É o El Clasico entre Barcelona e Real Madrid – a personificação da rivalidade entre as duas cidades poderosas do reino espanhol.

A tarde de 24 de Outubro será quente, não se espera chuva e o vento também será moderado. O céu estará limpo, a relva cortadinha e a bola vai deslizar. Portanto, não haverá desculpas para um mau desempenho. O VAR estará presente, tal como os milhões de telespectadores pelo mundo, atentos, ansiosos e tensos… por infelizmente não poderes estar presentes e vibrar lá dentro, com os jogadores.

O Barcelona vem para o confronto depois de duas partidas sem vitórias na La Liga, empatando em 1 a 1 com o Sevilla antes do intervalo internacional, seguido por uma surpreendente derrota por 1 a 0 para o Getafe no último fim-de-semana. A equipa conseguiu, entretanto, sacudir a pressão com a goleada por 5-1 ao modesto Ferencvaros, da Hungria, para a Liga dos Campeões. Contudo, a pressão já está a aumentar sobre o novo treinador Ronald Koeman, que vai precisar de uma boa exibição no ‘El Clasico’ para se proteger das críticas que está a sofrer dos adeptos do Blaugrana.

O treinador holandês começou a inventar desculpas para a derrota em Getafe, alegando que o penalti decisivo de Jaime Mata no primeiro tempo não deveria ter sido assinalado: “Não sei se foi um penalti, parecia que eles procuravam e nós caímos na armadilha. Não sei se hoje tivemos VAR ou não. Não gosto de falar sobre árbitros, mas se vocês assistirem ao jogo e ver quantas faltas eles cometeram e quantas cartões levaram, então podem decidir por vocês mesmos.”

O Real por seu turno também decepcionou no fim-de-semana passado, quando sofreu uma derrota ainda mais chocante por 1 a 0 em casa para o recém-promovido Cádiz. O treinador Zinedine Zidane não mediu forças ao falar da falta de dedicação e aplicação da sua equipa.

“Eles jogaram com mais velocidade do que nós e com mais entusiasmo. Não podemos dar desculpas, fizemos um péssimo jogo e temos de dar os parabéns ao Cádiz. Não estamos nada contentes”, disse Zidane aos repórteres.” Foi muito difícil para nós desde o início e não teria ficado surpreso se eles tivessem marcado dois ou três golos no primeiro tempo”.

O francês acrescentou: “Perdemos apenas três pontos. São três pontos importantes, mas nada mais. Agora estamos a pensar no nosso próximo jogo.”

Para a Champions, o Real foi surpreendido em casa pelo Shakhtar Donetsk da Ucránia, e perdeu por 2-3, num grande jogo atípico dos Los Blancos, que deixa vários alertas para o clássico de sábado.

  • Adicione seu comentário