Connect with us

Angola

Laúca repõe energia na rede

Publicado

em

A segunda turbina da barragem hidroeléctrica de Laúca, localizada no município de Cacuso, província de Malanje, voltou a fornecer energia eléctrica a partir da noite de quarta-feira, após quatro dias de paralisação devido à infiltração de água das chuvas na casa das máquinas, informou ontem à Angop o director do projecto Laúca, Elias Estevão.

As duas turbinas da central hidroeléctrica de Laúca retomaram a produção depois de quatro dias de paralisação
Fotografia: Rogério Tuti | Edições Novembro

O responsável daquela unidade hidroeléctrica  realçou que a segunda turbina entrou em funcionamento às 18 horas de quarta-feira.
Neste momento, frisou, as duas unidades estão a gerar 500 megawatts de energia para as províncias de Luanda, Malanje, Cuanza Norte e Uíge.
A barragem de Laúca, explicou, está em construção e toda a obra tem alguns pontos vulneráveis, mas salientou que medidas correctivas foram já tomadas no sentido de acautelar situações do género no futuro.
Os trabalhos de montagem de outras unidades, frisou, decorrem com normalidade, mantendo desta forma o cronograma de geração de energia da terceira unidade no mês de Março de 2018.
O responsável pediu desculpas à população pelos transtornos causados e reiterou que tudo está a ser feito para se repor a capacidade disponível de Laúca.
A infiltração de água ocorreu na sequência de uma chuva intensa, com um caudal de 22 mm (das 16h de domingo às 06h de segunda-feira), que rompeu zonas vulneráveis daquele ponto da barragem (ainda em construção) e afectou as unidades geradoras da central. Com a invasão das águas da chuva, ficaram afectadas as unidades geradoras 1 e 2.
O Gabinete do Aproveitamento do Médio Kwanza (GAMEK), entidade responsável pela gestão e coordenação dos Projectos Estruturantes do Sector Eléctrico, confirmou igualmente ontem, em comunicado, a entrada em serviço da Unidade Geradora nº 2  do Aproveitamento Hidroeléctrico de Laúca na noite de quarta-feira, repondo assim toda capacidade disponível deste empreendimento.
O documento lembra que devido às infiltrações registadas na Casa de Máquinas do Aproveitamento Hidroeléctrico de Laúca, na segunda-feira, o Sistema Eléctrico Nacional ficou privado de cerca de 500 MW durante os dias 30 e 31 de Outubro.
As equipas de construção e  manutenção do GAMEK, PRODEL, RNT, ENDE e a construtora ODEBRECHT em Laúca, acrescenta, trabalharam ininterruptamente desde a madrugada no restabelecimento das fontes do sistema eléctrico, com objectivo de minimizar os transtornos e normalizar o funcionamento dos Grupos Geradores.
O GAMEK lamenta o facto e manifesta todo o seu empenho para  que situações do género sejam evitadas no futuro.  A primeira turbina da Central Hidroeléctrica de Laúca (Malanje), com capacidade para gerar 334 Mega watts, entrou em funcionamento em Agosto último, marcando o arranque das seis turbinas da barragem, de 334 MW cada uma.
Até ao momento, estão em operação duas turbinas. As restantes quatro turbinas entrarão gradualmente em funcionamento até 2018.
Laúca, a maior barragem do país, resulta de um investimento público de 4,3 mil milhões de dólares, como parte do projecto “Angola Energia 2025”, que prevê o aumento substancial da oferta de electricidade às populações e ao sector produtivo. Um dos objectivos do sector é universalizar o acesso à energia eléctrica no país, onde cerca de 65 por cento têm origem hídrica, embora seja fundamental a existência de outras fontes para não se ficar dependente da natureza.
Dados consultados pelo Jornal de Angola apontam para um aumento da procura de energia no país na próxima década quatro vezes superior aos níveis actuais. Estima-se que a demanda atinja 7,2 Gigawatts até 2025, contra os 1,5 Gigawatts.
No quadro do projecto Angola Energia 2025, está previsto um incremento da potência instalada de 2 Gigawatts para 9,9 Gigawatts. A meta é chegar aos 60 por cento da população, o equivalente a 14 milhões de beneficiários em 2025. Para esse desiderato, Laúca garante um contributo de 2.070 megawatts.
O projecto Angola Energia 2025 obedece a várias etapas. Para o quinquénio 2013 -2017 estavam previstas, entre outras acções, a construção da segunda central da barragem de Cambambe, Laúca, a Central do Ciclo Combinado e a barragem de Caculo Cabaça. A nova central constitui a segunda e a última etapa da barragem de Cambambe, que data de 1959. A intervenção resultou no aumento da capacidade de produção do empreendimento de 260 para 960 megawatts (MW).
Recentemente, o ministro João Baptista Borges explicou que foram integradas na matriz energética nacional outras fontes de geração, como é o caso, por exemplo, do gás natural.

Continue Lendo
Clique Para Comentar

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Angola

Provas comprometem o réu Norberto Garcia

Publicado

em

Norberto Garcia, um dos réus angolanos no mediático caso da Mega Burla à Tailandesa, em que o Estado angolano seria burlado em 50 mil milhões de dólares, foi ontem confrontado, em tribunal, com dois documentos que o podem ter comprometido.

Ex-director da Unidade Técnica para o Investimento Privado
Fotografia: DR

No segundo e último dia da sua audição na 1ª Câmara Criminal do Tribunal Supremo, Sérgio Raimundo, advogado do réu José Arsénio Manuel, solicitou aos juízes que exibissem dois documentos em sua posse referentes ao acordo de intenção para as propostas de investimento privado dos supostos empresários tailandeses em Angola. Os referidos documentos têm datas e valores distintos, mas tratam da mesma matéria sobre o caso Burla à Tailandesa. O primeiro assinado entre as autoridades angolanas e os supostos empresários tailandeses foi celebrado a 1 de Dezembro de 2017 e estava contemplado um valor de 50 mil milhões de dólares. O segundo, datado de 30 de Dezembro de 2017, tinha o valor de 50,2 mil milhões.
Questionado sobre qual dos documentos era válido, Norberto Garcia, antigo director-geral da extinta Unidade Técnica para o Investimento Privado (UTIP), respondeu que era o datado de 1 de Dezembro de 2017. Afirmou que o segundo deve ter sido “um lapso”, devido à pressão e os constantes adiamentos que se verificaram para a assinatura dos referidos documentos.
“No momento em que se efectivaram os trabalhos com este grupo (de tailandeses), não só ocorreram vários adiamentos, como também foi um momento de excesso de trabalho, o que poderá ter permitido esta falha”, sustentou.
Ontem, o Tribunal concluiu a audição ao réu Norberto Garcia, acusado dos crimes de burla por defraudação de forma frustrada, associação criminosa, tráfico de influência e auxílio à imigração ilegal. O segundo e último dia do interrogatório a Norberto Garcia ficou marcado por intensos questionamentos dos juízes e advogados.
Em resposta às perguntas do seu advogado, Evaristo Maneco, Norberto Garcia confirmou que solicitou o serviço do Guiché Único da Empresa (GUE), para que, de forma excepcional, prestasse apoio ao grupo de supostos empresários tailandeses, no sentido de constituir uma sociedade comercial. Perante os juízes, o réu esclareceu também que não era a primeira vez que a UTIP fazia este tipo de pedido ao GUE.
Os juízes apresentaram a Norberto Garcia várias provas documentais, tendo o réu confirmado algumas e negado outras. Norberto Garcia disse que, para a admissão de investidores privados, primeiro eram aceites as ideias de possíveis investimentos, acompanhados dos estudos de viabilidade, e só depois se verificava a capacidade financeira do investidor.
Norberto Garcia disse que o tempo de admissão dos projectos dos presumíveis investidores era de 30 dias, em caso das condições estarem reunidas, e de 90 dias em casos em que os investidores não têm condições criadas.
Questionado pelo seu advogado se havia recebido uma mensagem da Unidade de Informação Financeira (UIF) a dar conta sobre a validade do investimento dos tailandeses, Norberto Garcia respondeu que estava triste com a contradição existente entre os dados do processo em posse dos juízes e os que estão com os advogados.
Os documentos em posse dos magistrados dizem que Norberto Garcia recebeu informação da UIF a alertar da falsidade do investimento tailandês. Norberto Garcia confirmou que tinha comunicação permanente com a UIF que lhe garantia que o processo de verificação ainda estava em curso e que ele aguardava apenas pela confirmação.

Continue Lendo

Trending