Comida que é um perigo para a saúde – África do Sul

Pelo menos, metade dos sul-africanos tem excesso de peso. Muitas pessoas, sobretudo nas zonas mais pobres, consomem comida “fast food”. A DW visitou o bairro de Hillbrow, em Joanesburgo.
África do Sul: Comida que é um perigo para a saúde
Lungile Hlatshwayo

‘Fast food’ famosa

Nos bairros mais pobres da África do Sul, o “kota” é quase uma comida básica para miúdos e graúdos. Trata-se de pão torrado com batatas fritas e queijo e enchidos processados. É barato e enche. O preço depende do que leva; varia entre o equivalente a 30 e 90 cêntimos de euro. – Lungile Hlatshwayo

Comida barata e perigosa

Mas o valor nutricional do “kota” deixa muito a desejar. E, para poupar, os vendedores costumam mudar poucas vezes o óleo. No ano passado, o pior surto de listeriose de sempre matou 183 pessoas – a bactéria foi encontrada numa “salsicha” artificial. – Lungile Hlatshwayo

Pobreza e desnutrição

Comida pouco saudável – com poucos nutrientes, mas muita gordura, açúcar e sal – está a causar uma nova epidemia na África do Sul e noutros países em desenvolvimento. Má alimentação provoca obesidade e pode levar a mais complicações, como diabetes, cancro e doenças cardiovasculares, responsáveis por metade das mortes prematuras na África do Sul. – Lungile Hlatshwayo

46% de carne

A comida pouco saudável é mais barata. Neste supermercado, um quilo desta salsicha processada custa o equivalente a três euros. Mas se olharmos para a lista de ingredientes, é isto que aparece: 46% de carne de porco e frango “desossada à máquina”. O resto é água, estabilizantes, amido e aditivos químicos. – Lungile Hlatshwayo

Xima vs. muesli

Aqui, “o que se vende melhor é a Mealie Meal”, diz o gerente do supermercado. Em muitas famílias, a xima (funge) é algo que se come a todas as refeições. Muitos clientes compram também leite de longa duração e açúcar. Mas em supermercados de zonas mais ricas, as prateleiras estão recheadas com outros produtos: flocos de cereais com frutos secos, arroz, massa e pão. Mais caros. – Lungile Hlatshwayo

“‘Pap’ to go”

A xima, ou “pap”, como se diz aqui, é a base da alimentação dos mais pobres. “Comemos sobretudo ‘pap'”, afirma Thema Masuku, um cliente de um restaurante em Hillbrow, um bairro de Joanesburgo. “Comemos ‘pap’ e carne, que é o que as pessoas daqui conseguem comprar”. Mas muitas não sabem que este tipo de alimentação é pouco rico em nutrientes, e isso pode ter consequências para a saúde. – Lungile Hlatshwayo

Novos hábitos alimentares

Nos últimos anos, os hábitos alimentares mudaram em muitos países em desenvolvimento. As pessoas comem sobretudo refeições já feitas ou alimentos processados industrialmente. Em muitos desses países, a cozinha tradicional tem sido colocada a um canto, tanto por miúdos como por graúdos. Aqui, em Hillbrow, depois da escola terminar, os jovens costumam fazer fila para comprar “kotas”. – Lungile Hlatshwayo

O perigo aumenta

Diabetes, ataques cardíacos ou hipertensão não eram frequentes em África. Mas o cenário está a mudar rapidamente. Os ingredientes do “kota” – gordura, açúcar e sal – provocam esse tipo de problemas. A Organização Mundial de Saúde estima que, em 2030, estas doenças serão a principal causa de morte. – Lungile Hlatshwayo

Vegetais, mas poucos

“Mesmo quando as pessoas compram vegetais, cozinham-nos de forma pouco saudável”, diz Thandi Puoane, da Universidade do Cabo Ocidental. Num dos seus estudos, a universidade descobriu que muitas pessoas cozinham espinafres, tomates ou couve com restos de carne e muita gordura. E intensificadores de sabor. Ou seja, comida que poderia ser saudável pode transformar-se numa bomba de calorias. – Lungile Hlatshwayo

Único prato do menu

“Mama Dombolo” é um restaurante em Hillbrow. E aqui só há um prato no menu: “pap” com “matambo”, ensopado de ossos de carne de vaca. Normalmente é acompanhado de uma porção de “morogo”, espinafres africanos. Em suma, um prato pouco nutritivo, como noutros locais que vendem comida neste bairro.

Sapo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *