AngolaNotícias

Angola ainda importa mais de 90% das sementes para a produção agrícola nacional

Angola ainda importa 90% a 95% das sementes para a produção agrícola do país, mas a quantidade adquirida não atende 50% das necessidades do sector, disse hoje o titular da pasta da Agricultura e Florestas angolano.
Angola ainda importa mais de 90% das sementes para a produção agrícola nacional
Alimentos ricos em Omega 3: peixe, frutos secos e sementes;

Marcos Nhunga falava à imprensa, à margem da mesa redonda sobre Diálogo Político em Produção, Disponibilidade e Acesso dos Agricultores a Sementes Melhoradas para o Fomento Agrícola em Angola, no âmbito do Projecto de Desenvolvimento de Competências para a Inovação dos Sistemas Agrários (CDAIS), que hoje se realiza em Luanda.

O ministro referiu que Angola tem que fazer um esforço grande para resolver a questão dos pressupostos para o desenvolvimento da agricultura angolana, em primeiro lugar a necessidade de o país produzir sementes.

“E para produzir sementes, porque nós não detemos as variações tecnológicas, temos de criar parcerias com empresas da região, que têm muita experiência nesse ramo, como, por exemplo o Zimbabué, África do Sul e Zâmbia, que são países que produzem as suas sementes. Temos de ter empresas nacionais que criem parcerias com outras da região e também do mercado internacional”, disse o ministro.

O governante angolano frisou que o país importa entre 90% a 95% das sementes que utiliza, salientando que o encontro de hoje visa discutir com os parceiros do Governo, nomeadamente a União Europeia (UE), o Fundo das Nações Unidas para a Alimentação (FAO) e produtores nacionais “como pode o país sair da situação”.

Segundo Marcos Nhunga, a solução para o actual quadro passa pela sensibilização e mobilização do sector privado, para que os empresários angolanos se empenhem na produção nacional de sementes, principalmente naquelas culturas que entram na dieta alimentar angolana – milho, feijão e arroz.

“O país gasta muito dinheiro, mas as sementes que temos adquirido não têm chegado nem para 50% das necessidades do país. O país não dispõe de valores para poder comprar sementes para toda a agricultura angolana, é impossível”, explicou.

“Há toda uma necessidade de produzirmos a semente no nosso país. Depois da semente temos de pensar, e é nesse esforço que estamos a trabalhar, na questão dos fertilizantes, dos pesticidas, na montagem de tractores, do sistema de rega, que são elementos fundamentais para o desenvolvimento de qualquer agricultura”, salientou.

Para o ministro, acima da produção local de sementes está a necessidade de os produtores nacionais terem acesso ao crédito bancário.

“Os agricultores que têm de produzir sementes têm de ter facilidade na obtenção do crédito e é um aspecto que no executivo estamos a discutir para que os agricultores sejam os primeiros a beneficiarem de crédito para produzirem cá”, disse.

Na intervenção na abertura da reunião, o governante angolano referiu também que as limitações de disponibilidade e acesso dos agricultores às sementes de alta qualidade constituem um dos maiores entraves ao desenvolvimento do sector agrícola.

O Plano de Desenvolvimento Nacional (2018-2022) estabelece que a disponibilidade de sementes deve passar de 10% em 2017 para 40% em 2022.

SAPO AO

Tags
Mostrar Mais

Ernesto

Escritor e Editor de Noticias no site Angola Nossa.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Back to top button