AngolaSociedade

Cidadão suicida-se após ser acusado de engravidar a filha no Huambo

Um cidadão, de nome Norberto Cachipua, de 44 anos de idade, residente na aldeia de Chicapa, município do Cachiungo (Huambo), suicidou-se na quarta-feira, depois ter sido acusado de engravidar a própria filha, de 18 anos, soube hoje, sexta-feira, a ANGOP.
Huambo: Cidadão suicida-se após ser acusado de engravidar a filha
Cidadão suicida-se após ser acusado de engravidar a filha no Huambo
MORTE

Trata-se, segundo o director do Gabinete de Comunicação Institucional e Imprensa da Polícia Nacional no Huambo, intendente Martinho Kavita Satito, de um suicídio por envenenamento, minutos depois de o cidadão em causa ter sido acusado pela corte da aldeia de Chicapa, da prática de incesto, contra própria filha e daí resultar uma gravidez.

Acrescentou que Norberto Cachipua decidiu tirar a sua própria vida no interior da residência em que vivia, de acordo com os dados obtidos no local pelo Serviço de Investigação Criminal (SIC) no Cachiungo, depois de ver-se rejeitado pela família e a comunidade.

Por usa vez, o soba grande da localidade, Eduardo Chiquenda, confirmou que o cidadão Norberto Cachipua foi, de facto, julgado tradicionalmente e condenado a pagar uma multa, por engravidar a filha, lesando os bons hábitos e costumes da cultura local.

Referiu que o indivíduo sentiu-se revoltado com a decisão da corte tradicional, tendo, de seguida, tirado a própria vida.

A filha do malogrado confirmou, por sua vez, ter sido violada pelo progenitor, por uma vez, que resultou na gestação.

Neste sentido, o soba Eduardo Chiquenda apelou às autoridades e sociedade civil, de forma geral, a prestar apoio a esta jovem, quer do ponto de vista material, como do posto vista psico-moral, que além de órfão e carrega consigo uma gravidez do próprio pai.

Acrescentou que na ombala da aldeia, localizada nos arredores da vila municipal do Cachiungo, 62 quilómetros a Leste da cidade do Huambo, também têm sido julgados casos de acusação de feitiçaria, venda de terrenos, violações e furtos.

Angop

Tags
Mostrar Mais

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Back to top button