Angola

Como os Funcionários das bombas de combustíveis estão a fazer dinheiro de forma ilícita – Carlos André

Desde sábado (04 de Maio de 2019) rodando a cidade de Luanda e as periferias, apenas as bombas de combustível da Sonangol se poderia verificar enormes filas de quase um km de viaturas a espera de uma oportunidade de poder ter acesso ao indispensável líquido para as viaturas locomoverem, enquanto as bombas de combustível da Pumangol e as demais eram habitadas de moscas. Uma questão veio – me a tona e que convido a todos os leitores a reflectiremos sobre o assunto e mas adiante volto a questão em análise:

A crise de combustível em Angola

1. Primeiro, e desde a ascensão do novo executivo que o país tem vivido enormes problemas de combustível e abastecimento de energia eléctrica e água potável, apesar dos enormes investimento efectuados nos dois últimos sectores, considerados fundamentais para o bem estar das comunidades em geral. Relativamente aos combustível a situação agudizou-se com a retirada em cena da Transfigura no negócio de fornecimento de combustíveis ao país.

2. Se, nos atermos a este ultimo, o abastecimento de combustível, podemos aferir algumas inquietações que pairam nas cabeças do cidadão em comum. Ou há uma incapacidade de gestão nas lides da companhia de bandeira “Sonangol” (e nesta perspectiva, apesar do cepticismo, tenho de concordar com a Engenheira Isabel dos Santos) ou então estamos diante de uma sabotagem na governação do executivo de João Lourenço (e aí teremos de considerar uma questão de segurança de estado e os órgãos tutelares são chamados a intervir, uma vez que já estamos além da era em que tais órgãos dedicavam a dissuadir seja quem fosse que reclamasse um direito – A HORA DE MOSTRAR O VERDADEIRO TRABALHO CHEGOU) ou por outra a tese de que “há perseguição as empresas com capacidade de respostas face as dificuldades que hoje enfrentamos está certa. E esta última hipótese, desculpem a quem descordar mas diante dos factos temos de concordar.

3. Voltando ao sector de energia e água, podemos dizer que estamos também diante de uma sabotagem, bastas olharmos nos números de investimentos no sector para hoje estarmos diante de uma crise agudizada e não se pode resolver com simplesmente comunicados de imprensa sem argumentos consistente. Para tal, convido também os órgãos de inteligência do estado a investigar e apresentar factos que sustentam a estes problemas ou então terei de concordar que estes órgãos estão obsoletos no espaço e no tempo não tendo capacidade de se readaptar em função da nova realidade e assim sendo estamos diante de um problema serio de Segurança Nacional.

Experiências de gênero temos muitas para o nosso contexto, basta olharmos para alguns exemplo: forma como os Movimentos de Libertação transitaram da fase de partido único ao multipartidarismo, as organizações da sociedade civil fizeram a transição da fase de emergência para a fase de desenvolvimento, como os agentes públicos continuam a comportarem-se na transição de uma liderança do país para a outra.

TODOS AS VICISSITUDES DESTAS TRANSIÇÕES FALAM POR SI.

Voltando ao tema em questão, após as várias rondas efectuadas pela cidade de Luanda e periferias e não tendo sucedido porque muito antes de chegar lá ou seja a tão esperada vez, lá surge o anúncio “A Gasolina Acabou” e foi-se repetindo a todas bombas de combustível da Sonangol “alias a única a abastecer na cidade de Luanda).

Hoje, na esperança de poder abastecer, saio de casa a procura o líquido que desavezou a vida de todos cidadão s de Luanda e por sorte vejo as bombas de combustível o Mirantes de Talatona com viaturas a abastecer. Daqui, decidi então efectuar a inversão de marcha e chegando a entrada encontro um aparato de guardas armados das unhas aos dentes erguendo as suas AKM “vulgo kalachinikoves” intimidando todo e qualquer automobilista que quisesse invocar o artigo 23º da Constituição da República de Angola, já que a mando do gerente, viaturas entravam pelas traseiras e bidons abasteciam a olho dos automobilistas que desde as primeiras horas esperavam pela oportunidade.

Nos próximos momentos e de maneira aprofundada trarei alguns elementos que penso ser os caminhos para mitigar a situação, uma vez que, este texto foi escrito a propósito de gente que preferem flagrantemente violar a CRA para tirar benefícios pessoais e estas pessoas a que o executivo e as demais instituições devem direccionar a sua atenção no Combate a Corrupção, Favoritismos e acima de tudo repor os valores cívicos a que o maior partido que governa o país se propõe.

Obrigado

Fonte: Club-k.net

Tags
Mostrar Mais

Ernesto

Escritor e Editor de Noticias no site Angola Nossa.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Back to top button