AngolaPolítica

O Verdadeiro Savimbi e líder Político – Dinho Chingunji

O dia 22 de Fevereiro de 2002 foi para mim e os poucos membros restantes da família Chingunji, um dos melhores dias desde que nasci. Eu tinha acordado como de costume como qualquer outro dia e fui trabalhar no meu pequeno escritório perto da Casa Branca em Washington DC, onde eu tinha uma missão solitária para fazer lobby para a construção de uma nova Angola Democrática e o fortalecimento das sanções e do isolamento de Jonas Savimbi e todos aqueles que apoiaram sua infrutífera e dispendiosa guerra tanto em consequências humanas quanto monetárias. Em torno desta época, eu tinha feito lentamente enormes incursões nos círculos políticos de Washington DC que seguiam Angola e já era regularmente recebidos com facilidade pelos ministérios influentes do governo dos EUA, como o Pentágono e o Departamento de Estado e os gabinetes relevantes no centro do poder no Capitol Hill.

Fonte: Facebook

Era uma sexta-feira e aguardava ansiosamente um fim-de-semana com a família que aproveitava a paz do ambiente fora daquele agitado de Washington DC, assim como faziam muitas pessoas que trabalhavam lá e moravam nos Estados vizinhos da Virgínia e Maryland.

Nesse dia, no início da tarde, recebi um telefonema de um amigo chamado Evaristo que trabalhava na embaixada de Angola em Washington DC, a quem me tornei amigo dos muitos anos em que eu morava em Londres enquanto ele trabalhava na embaixada de Angola. Evaristo chamou-me e perguntou: “Você já ouviu a óptima notícia?” Coisa que ele repetiu muitas vezes obviamente entusiasmado antes mesmo de dizer qualquer coisa. Eu também fiquei exaltado e depois segui com “ouvir, o quê?” O que acredito que também eu possa ter repetido umas tantas vezes, já que o suspense era de mais.

Então o Evaristo finalmente disse: “Savimbi está morto!” Eu pensei que não o ouvi claramente e eu insisti em quando e como teria acontecido? Seguido por perguntas de quem foi a fonte da informação. Eu não queria ouvir que a fonte era os canais de notícias Angolanos acreditando que a notícia poderia ser manchada pela euforia política e desejo sentimental! Então, ele me pediu imediatamente para ligar a TV e assistir a CNN, já que a notícia estava ser transmitida enquanto falávamos.

Evaristo disse que ainda estava colectando mais evidências e me chamaria para confirmar sem qualquer dúvida a veracidade da história. Infelizmente, eu não tinha o luxo de uma televisão no meu escritório, mas tinha conexão com a internet e imediatamente comecei a procurar os meios de comunicação internacionais mais respeitados para confirmar a notícia. E com certeza, as imagens de Savimbi morto em seu uniforme de combate militar cercado por jornalistas e outros observadores foram espalhadas por toda a internet e não deixaram nenhuma dúvida de que isso era uma farsa ou propaganda do governo Angolano. De repente, a minha mente e o meu corpo sentiram leve como se uma pedra pesada sobre meu ombro fosse finalmente removida. Eu repetidamente, olhei para o Savimbi morto, deitado no chão numa forma mais baixa, que muitas pessoas especialmente seus seguidores nunca tinham pensado que ele morreria. Ele havia profetizado uma morte gloriosa e violenta como aquelas vista em filmes de acção de Hollywood ou os filmes velhos de Cowboy, onde ele morreria lutando violentamente derrubando vários dos seus inimigos antes de cair provavelmente com o corpo rasgado por balas. Não era pra ser. O homem que vivia com o luxo de matar quem quer que desejasse e no dia e hora de sua escolha, sejam inimigos, colegas, amigos, esposas, namoradas, mulheres e bebés, não teria permissão para escolher uma gloriosa saída para a morte.

Inglorioso era o facto de ele estendido no chão morto com a roupa interior de marca exposta ao mundo inteiro e na cintura uma corda cheia de colecções de coisas usadas pelos Africanos que acreditam na feitiçaria e os poderes da magia negra. Uma coisa que por muitos anos ele usou como uma desculpa para matar muitas pessoas que ele não gostava, seja homens, mulheres ou bebés.

Pouco momentos depois, o Evaristo me chamou para confirmar sem qualquer dúvida de que a notícia era real e a televisão Angolana estava mostrar ao vivo ao mundo. Naquele momento eu já acreditava no que estava vendo na Internet. Imediatamente, liguei para minha família em casa para contar-lhes sobre as notícias e para sintonizarem a CNN. Então, liguei para as minhas irmãs em Londres e minha mãe na Zâmbia que também estavam no momento ainda com descrença e esperando confirmação. A alegria e o alívio foram incríveis! A minha cassule irmã, mesmo chorava, dominada por emoções, que não podia explicar se eram de alegria ou tristeza.

Morte Ingloria

Quando cheguei de volta para casa do trabalho às 17 horas, fui recebido com abraços e lágrimas de alegria e alívio! Meu filho mais velho, que tinha apenas 11 anos, proferiu a coisa mais impressionante que confirmou o que Savimbi era para a família Chingunji. Ele disse, “Savimbi o assassino de crianças e bebés, está realmente morto?” Ao que eu respondi com um grande “sim!” Então, ele acrescentou: “Savimbi afinal é mortal depois de tudo que fez!” E concluiu com: “Papai, vamos sair para comer uma pizza!” O que aceitei de bom grado e foi assim que terminamos o nosso dia 22 de Fevereiro de 2002.

A morte de Savimbi para mim e a família Chingunji foi o fim de um pesadelo que durou 32 anos desde que o primeiro incidente de David Jonatão Chingunji “Samwimbila” que morreu aos 22 anos como um dos melhores Comandantes da UNITA na província do Moxico durante a luta para independência. Dez anos antes, em 1992, Savimbi havia ordenado uma caçada nacional para quem pertencesse à família Chingunji e a qualquer pessoa intimamente ligada a nós. A ordem de Savimbi era matar todos os Chingunji, que também incluíam crianças e bebés. A sua razão principal para os assassinatos foi que eles apresentaram o maior obstáculo para suas ambições de poder para ser Presidente de Angola e a sobrevivência da UNITA a longo prazo. Esta medida, foi supostamente apoiada por muitos dos seus confidentes e jovens fanáticos que, nele, viam como uma figura piedosa e garante das suas vidas. Portanto, a purga foi implacável e facilmente executada sem qualquer resistência e manteve-se como o maior segredo quando Savimbi e UNITA se juntaram à sociedade Angolana em geral para participar nas primeiras eleições gerais desde independência. A eliminação dos Chingunji foi uma que Savimbi e seus seguidores ostentosamente acreditavam que haviam removido seu maior obstáculo político e que garantia uma passagem suave ao poder para ser validado por uma vitória convincente nas eleições gerais.

 

Tags
Mostrar Mais

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Back to top button