Angola

PGR investiga desvios na SONIP envolvendo rede de Manuel Vicente

A Procuradoria-Geral da República (PGR) está a analisar a denúncia pública sobre supostas transferências ilegais das contas da Sonip que circulam nas redes sociais e tam-bém sobre alegada corrupção na Utip feita por Norberto Garcia, durante o julgamento do caso ‘burla à tailandesa’.

Fonte: Valor Economico

PGR investiga desvios na SONIP envolvendo rede de Manuel Vicente
PGR investiga desvios na SONIP envolvendo rede de Manuel Vicente

A garantia foi avançada ao VALOR pelo porta-voz da instituição, Álvaro João, salientando que a PGR procura estar ao alcance das denúncias públicas de entidades públicas ou privadas, em que estejam em causa bens do Estado e “mesmo que os denunciantes sejam fontes anónimas”.

De acordo com Álvaro João, as recentes delações que envolvem os nomes de Manuel Vicente e Francisco de Lemos, que lideraram os conselhos de administração da Sonangol, bem como o do antigo presidente da comissão executiva da subsidiária da Sonangol, Orlando Veloso, já estão entregues à Direcção Nacional de Investigação e Acção Penal (DNIAP).

 

As supostas transferências milionárias e fraudulentas terão 50 Mil milhões de dólares seria a alegada perda para o Tesouro se o negócio que envolvia a Utip, generais angolanos e tailandeses passasse.

ocorrido entre Junho e Julho de 2016, saído das contas da Sonip para a de empresas pertencentes aos três ex-gestores, assim como de particulares próximos a estes.

No ‘esquema’, é insistente- mente citado o nome de Elisa Eurico de Oliveira, como ‘testa- -de-ferro’ de Orlando Veloso em diversos negócios em Luanda, bem como empresas que detêm lavandarias, creches e pré-esco- las, em Portugal, além de outros negócios no Dubai e na China. As alegadas sucessivas transferências de valores, em kwanzas e dólares, terão sido efectua- das, usando contas bancárias da Homestar, Enakar e Deams Leisure “espeficicamente criadas para a lavagem de dinheiro”. A denúncia engloba também a empresa RDC-Revestone Oaks Corporation, apontada como gestora do Hotel Convenções de Talatona (HCTA).

O porta-voz da PGR indicou ainda que idêntico procedimento foi levado a cabo em resultado das denúncias do ex- -director da extinta Unidade Técnica das Investimento Privado (Utip), Norbeto Garcia, feitas por altura das alegações finais do caso ‘burla à tailandesa’, em que o Estado angolano seria alegadamente lesado em 50 mil milhões de dólares. “Quando entrámos para o investimento privado, a maior parte do pessoal que funcionava no Estado exigia fazer parte das sociedades”, afirmou Norberto Garcia e desafiou prova de qualquer liga- ção sua aos 65 projectos que por si passaram estimados em mais de 24 mil milhões de dólares.

Álvaro João esclareceu ainda que “sempre que haja denúncia constitui-se processo para se averiguar se há ou não indício de crime e, de seguida, emitem-se os pareceres”.

O jurista Africano Cangombe elogia a Procuradoria e considera que “se a PGR é um instrumento de defesa do Estado, sempre que se veja diante de comportamentos lesivos ao erário, ou ao património público, não deve haver mãos a medir”.

Quem também defende a necessidade de dar tratamento a estas denúncias é o jurista Albano Pedro.

Em relação à denúncia de Norberto Garcia, defende que “o representante do Ministério público colocado no Tribunal tinha a obrigação de tomar nota e começar a investigar”, acrescentando que “Noberto Garcia seria rapidamente constituído declarante, porque tem que indicar factos, já que, de outra forma, poderia incorrer no crime de difamação”.

Tags
Mostrar Mais

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Back to top button