Crime

Homem raptado pelo SIC conta que pensou que seria executado naquele dia

A TENTATIVA DE MORTE QUE TERMINOU EM RAPTO | No dia 10 de Maio, quando eram 7h10 o meu tio deparou-se com alguns jovens há 5 metros de casa que quiseram saber se eu já havia acordado, ligou para mim pedindo para não sair porque os jovens aparentavam ser agentes da segurança do Estado, mas eu estava bem aí, saí com a mãe em direcção ao centro médico mais próximo por causa da febre. No caminho fomos surpreendidos por 6 agentes sem identificação que aparentavam ser marginais que chegaram silenciosamente com propósito de tapar a boca da minha mãe. Ela gritou e eu percebi, estava a tentar socorre-la e outros vieram sobre mim.

A captura sem notificação fez-me concluir que a intenção era me matarem  

Homem raptado pelo SIC conta que pensou que seria executado naquele dia
Homem raptado pelo SIC conta que pensou que seria executado naquele dia

No total eram 9 agentes sem identificação, num Hiace quadradinho sem identificação nem algemas para quem pretendiam prender alguém. Recebiam constantes ligações, enquanto isso, um vizinho que assistiu o momento gritava à distância : gatunos, gatunos , bandidos tem bandidos no bairro. Os frutos despertaram outros vizinhos até que os agentes decidiram então exibir o passe do SIC. Carregaram-nos sem dizer para onde? Quando chegamos no comando Provincial da Polícia, senti um alívio, porque inicialmente pensei que eram pessoas contratadas para matar-me e manchar a governação de João Lourenço. No comando, fomos levado a área da DPIC onde depois de 4 horas fui ouvido por um inspector. A questão por ele colocada foi: quem é este que aparece no vídeo a ameaçar o presidente? Respondi com muito gosto sou eu.

-Estás aqui por causa deste vídeo. Disse. Enquanto eu ria, o vosso presidente está com medo do vídeo? Então este senhor é mais medroso que o Zedu e parece paranóico, tem medo de tudo agora. Disse-lhes, mas também aproveitei a oportunidade para lhes dizer que não acreditava que a vontade da minha detenção partiu do João Lourenço. Há pessoas com más intenções que ordenaram a minha detenção e só vão acabar por prejudicar a governação dele. Os 4 agentes que encontravam-se na sala riam. Um deles disse: – Você se acha muito, isto não afecta em nada a governação dele.

Eu disse vamos ver o desfecho do caso. Como estava a sentir-me mal, pedi para ir já na cela. Daí livraram a mãe e fui colocado numa caserna com cerca de 120 reclusos. Havia muitos agentes do SIC detidos, acusados de roubo, tráfico de marfim e violação. Um agente dos serviços de inteligência militar acusado de violação, o assassino da Juliana Cafrique mais alguns agentes reguladores de trânsito. Os agentes em serviço, ordenaram um tal e Malária agente dos recursos humanos da Polícia Nacional e secretário da JMPLA do Camama controlar os meus passos no interior da caserna. Colocaram-me na cela e fecharam como se de um altamente perigoso tratasse.Antes discuti com o chefe da operação sobre as razões que lhe levavam a fechar-me na cela quando os outros presos estavam livremente no pátio, ficamos a trocar palavras ofensivas até que um dos detidos pediu por favor entra só para não cria e tumulto aqui. Entrei , deitei-me e depois de sensivelmente 10 minutos o chefe da operação voltou simpaticamente disse: Hitler pode ficar onde quiser.

Eu disse para ele: Era preciso ordem superior , mais velho burro?! Foi sem nada dizer, os outros detidos ficavam a rir , curiosos vinham saber o que fiz para estar detido. Expliquei a situação e muitos simpatizaram. Quando alguns agentes do SIC que estavam detido tentaram fazer movimentos estranhos , os jovens saíram com toda garra e disseram: quem se meter com o Hitler vai se ver comigo. Neste dia fui levado ao hospital prisão de São Paulo para fazer exames médicos.O primeiro dia passou, o segundo foi sábado não tinha esperança de nada e o terceiro foi domingo. Na segunda-feira, fui requisitado para o DNIAP (PGR), mal chegamos na porta o procurador disse-me que já estava livre e que se quisesse comprar alguma coisa na cantina estava a vontade. Pediu aos agentes para devolver os meus pertences e se retirar do espaço. Eles todos cabisbaixos, sem nada entender regressaram sem mim. Fui ouvido pelo director do DNIAP na presença dos meus advogados e não perguntavam nada mais do que:

– Quem eram as tropas que eu falava no vídeo?
– O que motivou-me a fazer o vídeo?
– Qual era o objectivo ?

Passaram-me o mandato de soltura e disseram que estava presos sob termo de identidade e que irei responder em liberdade. Quando cheguei em casa comecei a refletir em volta do sucedido e percebi que a intenção era de matarem-me porque eles não possuíam uma única identificação nem tão pouco uma algema. Um agente confessou que passaram duas noites atrás da nossa casa , a espera de oportunidade para agarrar-me.

A fúria do chefe das operações, o facto de não permitirem que eu ligasse aos advogados, o facto de não terem mandato de captura nem notificação fez-me concluir que a intenção dos homens era mesmo de matar-me. Não foi desta…

Fonte: Club-k.net

Tags
Mostrar Mais

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Back to top button