DestaqueSaúde

Primeira-Dama avalia avanços no corte vertical

A Primeira-Dama da República de Angola, Ana Dias Lourenço, está desde ontem na província do Cunene, onde avalia a implementação da campanha “Nascer Livre para Brilhar”, que visa a eliminação da transmissão do VIH de mãe para filho.

Primeira-Dama avalia avanços no corte vertical
Primeira-Dama avalia avanços no corte vertical

Primeira-Dama da República constatou o funcionamento de unidades hospitalares no Cunene
Fotografia: Quinito Kanhameni | Ondjiva |?edições novembro

Lançada em Dezembro de 2018, a campanha decorre a nível nacional e tem como meta a redução da taxa de transmissão do VIH de mãe para filho de 26 por cento para 14 por cento até 2021.
Em Ondjiva, Ana Dias Lourenço manteve um encontro de cortesia com o governador provincial, Vigílio Tyova, tendo-se deslocado, de seguida, ao município de Ombadja, onde visitou o hospital municipal.
Na unidade sanitária, a Primeira-Dama inteirou-se dos serviços integrados de saúde sexual e reprodu-tiva e dos serviços de aconselhamento e testagem voluntária de VIH/Sida, tendo ainda visitado a maternidade local.
Ana Dias Lourenço foi informada das principais dificuldades, que se consubstanciam na falta de testes rápidos de VIH/Sida, anti-retrovirais e reagentes de CD4. Em Namacunde, a Primeira-Dama visitou igualmente o hospital municipal , com capacidade para cem camas. Naquela unidade funcionam, desde 2007, os serviços de aconselhamento e testagem de VIH.
Segundo o director do Hospital Municipal de Namacunde, Museya Ilela, de Janeiro de 2018 a Maio deste ano nasceram 97 crianças de mães seropositivas, 55 das quais com diagnóstico negativo.
A Primeira-Dama constatou, igualmente, o funcionamento da Clínica Bem-Estar, em Santa Clara, financiada pela SADC, Fundo Global e Governo de Angola e que tem como finalidade testar e tratar pessoas expostas à doen-ça, como camionistas e homossexuais.
Dados do Gabinete Provincial da Saúde indicam que de Janeiro a Abril deste ano 108 bebés de mães seropositivas nasceram livre do VIH/Sida, na ma-ternidade do Hospital Geral de Ondjiva.
A campanha “Nascer Livre para Brilhar” vai criar um movimento nacional de responsabilidade individual, chamando atenção aos angolanos para uma resposta concertada, com o envolvimento de membros do Executivo, empresas públicas, privadas e organizações internacionais e da sociedade civil locais.
Com a duração de três anos, a campanha fundamenta -se numa mensagem directa dirigida a cada angolano, segundo a qual, a luta contra o HIV/Sida só será vencida com o envolvimento de todos.
A campanha tem como objectivos principais, au-mentar a sensibilização sobre a epidemia do VIH nos grupos prioritários, que são as mulheres e crianças, elevar o conhecimento de como prevenir a transmissão do VIH da mãe para fi-lho, defender a priorização nos serviços de saúde e in-centivar toda mulher grávida a conhecer o seu estado serológico, entre outros.

JA

Tags
Mostrar Mais

Ernesto

Escritor e Editor de Noticias no site Angola Nossa.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Back to top button