Economia

PARA O BANCO MUNDIAL A CONVICÇÃO MATA A FOME

Um responsável do Banco Mundial (BM) indicou hoje, em Luanda, “não ter dúvidas” sobre os bons resultados previstos nas reformas económicas em curso em Angola e manifestou a disponibilidade para apoiar “sem limites” a diversificação da economia no país. Tem sido assim ao longo dos anos e os resultados estão à vista para os angolanos, não para os técnicos do BM porque eles assinam (sempre assinaram) de cruz o que o MPLA lhes põe à frente.

PARA O BANCO MUNDIAL A CONVICÇÃO MATA A FOME
PARA O BANCO MUNDIAL A CONVICÇÃO MATA A FOME

Fábio Kanczuk, um dos 10 directores executivos de uma missão oficial do Banco Mundial que iniciou hoje uma visita de turismo (de trabalho, dizem eles) de três dias a Angola, referiu que a missão ficou “bem impressionada” com a “convicção e precisão” de Angola nas reformas em curso, nomeadamente as ligadas ao sector macroeconómico.

O responsável do BM falava aos jornalistas após ter sido recebido pelo ministro de Estado do Desenvolvimento Económico e Social de Angola, Manuel Munes Júnior.

“Há também [as reformas] na liberalização da moeda, no ajuste fiscal, nas privatizações, no relançamento do sector privado, na melhoria regulatória, na maior liberdade de imprensa, no combate à corrupção e na melhoria dos processos ligados à competitividade. São diversos tópicos sobre esse relançamento do país que o BM não tem dúvida de que são as políticas económicas correctas e que vão dar certo”, disse. Poderia, obviamente, ter resumido e dito apenas que constatou que Angola é um paraíso.

Segundo Fábio Kanczuk, o BM tem disponibilizados projectos em Angola no valor de 1.200 milhões de dólares e está aberto para “qualquer interacção em muitas áreas distintas”.

“Seja no aumento de produtividade na agricultura, seja em auxílio ao relançamento do sector privado, seja em estudos com o Instituto Nacional de Estatística [INE]. Não há um limite máximo de quanto o Banco Mundial pode ajudar Angola. Estamos completamente abertos para ajudar a fazer o melhor possível”, frisou.

O responsável do Banco Mundial lembrou que a instituição trabalha com Angola numa “relação de parceria” em que não há um valor específico para apoiar projectos, que são individuais e que vão sendo criados.

Fábio Kanczuk realçou projectos na agricultura, água e saneamento, hidroelectricidade, formação profissional e “em quase todas as facetas imagináveis da economia”.

“Angola está num momento de inflexão e as suas ideias [para as reformas em curso] são as mais correctas possíveis. Isso vai resultar numa melhoria da qualidade de vida para a população de Angola. As coisas não são instantâneas e vão ocorrendo aos poucos. A população vai percebendo todo esse ganho de produtividade”, referiu.

Questionado pela agência Lusa sobre quais as principais dificuldades que o BM tem observado na economia angolana, Fábio Kanczuk destacou (contrariando o que afirmara) o processo de diversificação da economia, que terá de ter “uma menor dependência do sector petrolífero e uma amplificação de todas as outras áreas económicas”.

Mas, para não ficar muito mal na “fotografia”, acrescentou: “Isso não ocorre de forma instantânea, demora alguns anos até acontecer. O principal desafio é esse, ter a perseverança, a serenidade de esperar pelos resultados. Não é fácil, nós sabemos isso, conseguir aguentar esse processo, onde há custos iniciais antes de os benefícios aparecerem”.

Sobre o que vai dizer ao Presidente de Angola, João Lourenço, Fábio Kanczuk indicou que os tópicos são os mesmos.

“Os tópicos são os mesmos. Vamos mostrar a disponibilidade do BM em ajudar o país e o Presidente da República, mostrar completo apoio, com uma convicção muito grande de que as coisas vão dar certo e que estão no caminho correto”, concluiu.

A missão do BM a Angola, que se prolonga até sábado, integra 10 dos 25 directores executivos da instituição, que, além dos encontros oficiais, visitarão alguns dos projectos que financia, nomeadamente ligados à água, agricultura, saúde e estatísticas, entre outros.

Para outras “núpcias” ficará a visita ao país real, do qual constam um dos maiores exércitos de… desempregados, bem como os cerca de 20 milhões de pobres.

Se a hipocrisia ajudasse a diversificar a economia…

1de Julho de 2015. O Ministério das Finanças de Angola anunciou nesse dia um acordo com o Banco Mundial para um empréstimo de 450 milhões de dólares e uma garantia financeira para captar recursos no mercado internacional.

Segundo informação do Ministério, o Conselho de Administração daquela instituição internacional aprovou a primeira operação financeira para a gestão e desenvolvimento de políticas na área fiscal e do investimento público em Angola, através do Banco Internacional para Reconstrução e Desenvolvimento (BIRD).

“Compreende um empréstimo de 450 milhões e uma garantia de 200 milhões de dólares norte-americanos, que habilita o executivo a captar fundos no montante de 300 milhões até mil milhões de dólares no mercado financeiro internacional”, lê-se na mesma informação.

Esta operação, explicava ainda o Ministério então liderado por Armando Manuel, visa “reforçar a gestão financeira” e criar espaço fiscal necessário para “uma melhor protecção dos mais vulneráveis”.

Esse objectivo, prossegue a mesma informação, será alcançado através do apoio à modernização da administração fiscal e da política fiscal, reforço da eficiência e eficácia do investimento público e nomeadamente com uma “política social de contrapartida ao processo de eliminação gradual do subsídio aos combustíveis”, subvenção pública que anualmente custa mais de três por cento do Produto Interno Bruto (PIB) angolano.

A crise da cotação do petróleo no mercado internacional obrigou o Governo angolano a rever, em Março, o Orçamento Geral do Estado para 2015, estimando então um défice nas contas públicas de 7% e um crescimento do PIB de 6,6%.

O peso do petróleo nas receitas fiscais deverá descer de 70%, em 2014, para 36,5% este ano, o que tem levado o executivo angolano a procurar diversas fontes de financiamento externo, como foi o caso, também e mais uma vez, do Banco Mundial.

Em 10 de Fevereiro de 2015 foi noticiado que este empréstimo que Angola estava a negociar com o Banco Mundial – então avaliado em 500 milhões de dólares – obrigaria Luanda a rever os subsídios aos combustíveis e o consequente aumento do preço.

De acordo com o documento que justifica do ponto de vista económico a disponibilização das verbas pelo Banco Mundial a Angola – Documento de Informação do Programa (DIP), “as famílias mais pobres são as que são mais provavelmente afectadas negativamente pelo aumento do preço dos combustíveis, uma vez que gastam uma percentagem maior do seu orçamento total em combustível e em produtos que são impactados por esses preços”.

Folha 8 com Lusa

Tags
Mostrar Mais

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Back to top button