Quatro minas de ouro entram em exploração em Angola

Pelo menos quatro projectos de ouro começam a ser explorados, no decurso deste ano, em três províncias do país, com Cabinda a domiciliar dois, informou o administrador da Ferrangol, empresa pública que gere e controla a produção de metais ferrosos em Angola.

Quatro minas de ouro entram em exploração em Angola
Quatro minas de ouro entram em exploração em Angola

Projecto do Chipindo está em fase avançada, com o arranque previsto para este semestre
Fotografia: Edições Novembro

Kayaya Cahala, que falava em Luanda, na segunda-feira, numa palestra subordinada ao tema “Dados sobre a Actual Actividade do Ouro em Angola”, no âmbito da comemoração do Dia do Trabalhador Mineiro Angolano, que se assinala a 27 de Abril, adiantou que, no global, os quatro projectos vão garantir uma produção anual de 25 mil onças (mais de 700 quilogramas de ouro).
Segundo o responsável, o projecto do Chipindo, na província da Huíla, iniciado em 2011, é o mais importante e o mais avançado, estando a sua entrada em produção prevista para o primeiro semestre deste ano.
Com uma área de 664,30 quilómetros quadrados, a mina de Chipindo apresenta um tempo de vida útil de sete anos e vai criar 70 postos de trabalho directos. “Neste momento é o mais importante, porque já se pode ver o ouro, a actividade de extracção já iniciou e estamos numa fase de ensaios”, referiu.
Também em fase avançada, disse, estão os projectos de Buco-Zau, na provínciade Cabinda, numa área de 322,80 quilómetros quadrados, estimando-se um tempo de vida útil de 57 anos, tendo em conta o ritmo de produção lento a imprimir na primeira fase, com previsão de entrada em produção também no primeiro semestre deste ano, antes do final de Junho. “A mesma coisa vai acontecer com o projeto Lufo em Cabinda, que tem recursos médios de quase 150 mil onças”, disse Kayaya Cahala.
O projecto do Lufo, segundo o responsável, verifica um pouco mais de atraso, por isso o seu arranque está previsto para o segundo semestre deste ano, que terá a duração de 33 anos, devido também a uma produção pouco volumosa.
Também com arranque previsto para o segundo semestre deste ano, em Outubro, está o projecto Tiandai Mining, no município de Nambuangongo, província do Bengo, de depósitos primários, com reservas de 1,5 milhões de toneladas.<br

JA

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *