Representantes do Banco Mundial no Parlamento

O representante residente e outros técnicos do Banco Mundial terminam hoje encontros com os deputados da 5ª e 6ª Comissões da Assembleia Nacional, nos quais aborda o projecto de parceria para os próximos seis anos que a instituição financeira está em vias de aprovar a favor de Angola.

Representantes do Banco Mundial no Parlamento
Representantes do Banco Mundial no Parlamento

Representante residente do Banco Mundial em Angola
Fotografia: Mota Ambrósio | Edições Novembro

A presidente da 5ª Comissão, Ruth Mendes, disse ao Jornal de Angola que a parceria envolve projectos de mil milhões de dólares por ano, enquanto o representante do Banco Mundial, Olivier Lambert, declarou à imprensa ter partilhado o programa de assistência, assente na macro e governação, diversificação da economia e desenvolvimento do capital humano no país.
“O primeiro pilar está ligado à melhoria do ambiente de negócios, que é ainda difícil em Angola, o segundo tem a ver com as infra-estruturas (como energia) sem as quais sobem os custos de produção e levam a perda de competitividade, enquanto o terceiro envolve um grande investimento na agricultura e pecuária , bem como no capital humano”, esclareceu Olivier Lambert, considerando o encontro “muito rico”.
A ajuda do Banco Mundial “incide na criação da cadeia de valores, como energia, rede de frio, estradas em óptimas condições, matadouros para que seja possível aos agricultores e pecuaristas produzir a excedentes para abastecer os grandes centros de consumo”, disse.
Referiu que a assistência a Angola é “abrangente”, existindo muitas propostas em sectores como educação, saúde, transportes, agricultura, agro-negócio, telecomunicações e tudo isso tem que estar alinhado com o objectivo, último de fazer crescer o capital humano do país, na esteira das acções a desenvolver no PDN (Plano de Desenvolvimento Nacional).
Olivier Lambert adiantou que a sua instituição já está envolvida em muitas áreas em Angola e destacou a colaboração com o Banco Nacional de Angola e os Ministérios da Economia e do Planeamento e Finanças.

JA

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *