Connect with us

Comércio

Dólar nas ruas de Luanda volta a desvalorizar e desce aos 490 kwanzas

Publicado

em

O valor médio do dólar nas ruas de Luanda voltou a descer, chegando hoje aos 490 kwanzas (2,60 euros), uma quebra superior a cinco por cento numa semana, constatou a Lusa numa ronda pela capital angolana.

Este preço contrasta com os 520 kwanzas cobrados nos mesmos locais há cerca de uma semana, naquela que foi a primeira subida da nota norte-americana em cerca de um mês.

O preço praticado no mercado de rua permaneceu próximo dos 600 kwanzas por cada dólar em agosto e julho, depois de máximos acima dos 630 kwanzas em junho, embora com pontuais flutuações semanais, mas ainda cerca de três vezes acima da taxa oficial de câmbio.

A descida da última semana foi explicada à Lusa pelas ‘kinguilas’ de Luanda, como são conhecidas estas mulheres que se dedicam à compra e venda de divisas na rua, pela falta de kwanzas (moeda nacional) no mercado. Esta descida acontece numa altura de sucessivos aumentos na injeção de divisas na banca, em curso pelo Banco Nacional de Angola (BNA).

A Lusa encontrou hoje quem vendesse a nota de um dólar, no bairro do São Paulo, a 490 kwanzas, o mesmo preço praticado pelas ‘kinguilas’ do bairro dos Mártires de Kifangondo, pelas do Maculusso, igualmente no centro de Luanda, e também na Mutamba.

O BNA vendeu cerca de 900 milhões de euros de divisas aos bancos comerciais em agosto e 930 milhões de euros em julho, valores máximos de 2016. Só em setembro, o banco central angolano vendeu à volta de 1.000 milhões de euros em divisas aos bancos.

Aos balcões dos bancos ainda persistem as dificuldades no acesso a divisas – devido à crise que afeta o país, decorrente da quebra nas receitas petrolíferas -, levando clientes a optarem pelo mercado de rua, apesar de taxas de câmbio, que ainda são três vezes superiores à oficial (166 kwanzas).

São preços especulativos que, em muitos casos, como para os trabalhadores expatriados, é a única forma de ter acesso a divisas no atual contexto de crise económica, financeira e cambial.

Continue Lendo
Clique Para Comentar

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Comércio

Angola: Acordo vai potenciar exportações e internacionalizar empresas

Publicado

em

Luanda – O país pode registar um incremento das exportações e internacionalizar mais empresas, em consequência de um acordo rubricado nesta sexta-feira entre o Banco de Desenvolvimento de Angola (BDA) e a Comunidade de Empresas Exportadoras e Internacionalizadas de Angola (CEEIA).

No foco do acordo está o intercâmbio de informações entre as duas instituições, a identificação de oportunidades de negócios, a negociação de facilidades de financiamento para a produção exportável e o apoio às exportações e internacionalização das empresas angolanas.

Rubricado pelo presidente do Conselho de Administração do BDA, Manuel Costa, e pelo presidente do Conselho Directivo da CEEIA, Agostinho Kapaia, o protocolo prevê o aumento da produção de produtos e serviços exportáveis.

Manuel Costa do BDA disse, no final da cerimónia, acreditar que com o entendimento o país estará no caminho certo, tendo em vista um crescimento sustentável da economia angolana.

O acordo, segundo Agostinho Kapaia da CEEIA, vai regular a relação de cooperação institucional, potenciar a produção interna e exportar o excedente.

Presente ao acto, o ministro do Comércio, Fiel Constantino, reconheceu a necessidade de as empresas serem apoiadas na produção de excedentes e na potenciação das exportações.

Para o governante, as empresas que já têm potencial para exportarem recebem com agrado a aposta do BDA.

“Temos estado a cobrir o défice das importações direccionando o apoio às empresas com maior capacidade de produção. A intenção é melhorar e fazer crescer a balança comercial”, salientou.

Este protocolo de cooperação visa a recepção do apoio do executivo dentro do plano dirigido, de forma a reduzir os constrangimentos que as empresas exportadoras membro da CEEIA enfrentam, para que se aumente a captação de divisas.

A CEEIA constitui uma parte relevante do tecido das empresas exportadoras e internacionalizadas de Angola reunindo as suas melhores competências com o intuito de promover e credibilizar Angola junto dos mercados internacionais.

O BDA é uma instituição financeira pública de desenvolvimento, que concede financiamento para a implementação de projectos de investimento nacional no sector não petrolífero, com vista a contribuir para a diversificação da economia nacional e o desenvolvimento sustentável do país.

Continue Lendo

Trending