Connect with us

Educação

Escola primária pode desabar por falta de tecto

Publicado

em

Uma escola comunitária de quatro salas de aula, construída no ano passado, com apoio de pais e encarregados de educação, na aldeia de Taka-Kessongo, arredores da cidade do Huambo, corre o risco de desabar por falta de tecto, situação agravada pelas constantes chuvas que se abatem sobre a região.

O soba da aldeia de Taka-Kessongo, Mário Victor Tchitandula, disse que a população mostra-se desapontada ao ver os filhos sem estudar, situação que tem levado muitas crianças a dedicar-se à caça de gafanhotos, ratos e até a actos ilícitos, apesar de não existirem casos alarmantes de criminalidade na jurisdição.

Continue Lendo
Advertisement
Clique Para Comentar

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Educação

Ensino Superior interrompe novos cursos de graduação em medicina por causa de deficiências

Publicado

em

A suspensão de criação de novos cursos de graduação em medicina nas instituições de ensino superior do país, é uma medida que surge na sequência de uma série de deficiência detectadas nas universidades, noticiou nesta quinta feira (17) a Rádio Nacional de Angola (RNA), os bastonários da ordem dos médicos e enfermeiros de Angola.

As medidas tomadas pelo executivo foram consideras positivas pelos bastonários da ordem dos médicos e enfermeiros.

O bastonário da ordem dos enfermeiros de Angola, Paulo Luvualo considera a medida do executivo de suspender a criação de novos cursos de graduação em medicina como bem-vinda. O responsável disse que, as instituições do ensino superior devem trabalhar mais para superar as irregularidades observadas que acabam por comprometer a formação de quadros angolanos.

“Se não oferece condições para formar profissionais de saúde é melhor suspender, uma das principais irregularidades é o rácio professor e estudantes, há universidades que têm numa turma 180 a 200 estudantes por sala, segundo não há bibliografia suficiente, não há laboratório, para atender as demandas, não há campos de estágios suficientes para atender os estudantes”, disse Paulo Luvualo.

O Bastonário da ordem dos médicos de Angola também considerou acertada a medida do executivo, Carlos Albertos Pinto de Sousa, alegou que, o grande objectivo consiste em melhorar a qualidade de formação médica no país.

“Temos que primar pela qualidade da formação médica, para que possamos fazer um atendimento condigno a população, penso que o ministério do ensino superior tem este diagnóstico e com base nesses diagnósticos tomou a decisão correta”, afirmou Carlos de Sousa.

Continue Lendo

Trending