Educação

Professores do ensino especial estão a ser capacitados no Bengo

Professores do ensino especial, da escola 377 da província do Bengo, estão a ser capacitados em matérias de tecnologia assistida, para facilitar o processo de comunicação com os estudantes invisuais.

Professores do ensino especial estão a ser capacitados no Bengo
Professores do ensino especial estão a ser capacitados no Bengo

A acção formativa, promovida pela Fundação Lwini, decorre desde ontem até sexta-feira, com a participação de 12 professores.

O director provincial da Educação, António Quino, disse que o sistema de ensino em Angola é inclusivo e todo o cidadão com necessidade educativa especial deve ser incluído em qualquer escola.
“Qualquer escola tem de ter capacidade de receber e acolher crianças com necessidades especiais, por isso as barreiras arquitectónicas têm de ser quebradas. Toda a escola que for construída em Angola tem de criar condições de acessibilidade para todos”, disse o director provincial da Educação. António Quino defendeu a necessidade de se reforçar a componente didáctico/ pedagógica. “Todo o professor que tiver dificuldade de ajudar uma criança com necessidade especial deve recorrer à escola do en-sino especial 377, para receber o auxílio dos professores daquela instituição”.
Segundo o técnico de avaliação e acompanhamento da Fundação Lwini, Arisvaldo Joaquim, o objectivo da formação é excluir as barreiras que dificultem pessoas com deficiência, criando bases suficientes para que possam comunicar-se, visto que a fundação é uma organização de apoio às pessoas com deficiências e às mulheres rurais.
Destacou que a Fundação Lwini criou um sub projecto de formação de professores da escola do ensino especial, abriu gabinetes de apoio visual na escola 377, na Universidade Agostinho Neto, na escola do ensino especial do Cuanza -Norte e na Universidade Katyavala Buila. Arisvaldo Joaquim disse que a Fundação Lwini doou, há quatro meses, à escola do ensino especial na província do Bengo, meios tecnológicos para ajudar os deficientes visuais.
A directora da escola 377 do ensino especial do Bengo, Feliciana Bartolomeu, disse que a instituição tem neste momento 286 alunos, da 1ª à 9ª classe, e que a província controla 27 professores do ensino especial. Adiantou que a província tem uma escola do ensino especial e são necessárias mais três.
Uma das grandes dificuldades do ensino especial no Bengo é a falta de transporte, que dificulta a locomoção dos estudantes, bem como a falta de energia na instituição.
Salientou que os pais têm de prestar mais atenção aos filhos com necessidades especiais, visto registarem-se casos de discriminação que partem das famílias.

JA

Tags
Mostrar Mais

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Back to top button