Internacional

A invenção de uma menina de 12 anos que pode salvar milhares de vidas

Gitanjali teve a ideia de projetar a Tethys, um detetor de chumbo, quando viu, nas notícias, o que tinha acontecido em Flint, no Michigan. Esta cidade com cerca de 100 mil habitantes ficou famosa nos Estados Unidos quando se descobriu que, devido a alterações no abastecimento, durante alguns anos os habitantes tinham consumido água contaminada com chumbo.

A invenção de uma menina de 12 anos que pode salvar milhares de vidas
A invenção de uma menina de 12 anos que pode salvar milhares de vidas

© Expresso Expresso

“Se tens uma ideia, não desistas. Se falhares, tenta novamente”.

Parece uma frase retirada de uma caneca da Mr. Wonderful ou de um Tweet para agradar a um grupo de empreendedores. Mas, se foram pronunciadas por alguém como Gitanjali Rao, convém que prestemos atenção, porque a determinação e o talento desta menina de 12 anos permitiram-lhe ser nomeada melhor jovem cientista dos Estados Unidos, no ano passado, e, mais importante do que isso, levaram-na a projetar um dispositivo que pode ajudar a salvar várias vidas, no futuro.

Gitanjali teve a ideia de projetar a Tethys, um detetor de chumbo que lhe garantiu o reconhecimento, quando viu, nas notícias, o que tinha acontecido em Flint, no Michigan.

Esta cidade com cerca de 100 mil habitantes ficou famosa nos Estados Unidos quando se descobriu que, devido a alterações no abastecimento, durante alguns anos os habitantes tinham consumido água contaminada com chumbo. Mais escandaloso foi o facto de as autoridades saberem o que se passava e não o terem denunciado, pondo em perigo as vidas de milhares de pessoas. Quando Gitanjali soube, através da televisão, pensou em “todos os meninos da minha idade que se expunham diariamente ao veneno, só por utilizarem um recurso como a água. O meu primeiro instinto foi perguntar-me como era possível, se toda a gente deveria ter direito a água potável.”

A sua resposta não poderia ter sido mais clara: projetou a Tethys (assim chamada, em homenagem à deusa grega da água doce e dos rios), um aparelho portátil que utiliza nanotubos de carbono para medir o chumbo. O detetor incorpora um sensor ligado através de bluetooth a uma aplicação móvel que faz uma análise precisa e quase imediata da água.

Gitanjali reconhece que a sua paixão pela ciência foi herdada da sua família e sente-se grata por isso.

Os seus planos para o futuro são muito claros: gostaria de continuar a ajudar a resolver os problemas das pessoas através da ciência e da tecnologia e sabe que, para isso, tem de pôr em prática seguindo um dos conselhos que dá sempre a toda a gente: “Faças o que fizeres, diverte-te.”

Entrevista e edição: Zuberoa Marcos, Pedro García Campos, Cristina López

Texto: José L. Álvarez Cedena

Expresso

Tags
Mostrar Mais

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Back to top button