Internacional

Angola confirma apoio à pacificação da RCA

A República de Angola mantém-se engajada no apoio aos esforços do povo da República Centro-Africana (RCA), na implementação do Acordo de Paz, quer no âmbito geral da União Africana, quer no da cooperação bilateral, soube o Jornal de Angola de fonte oficial.

Angola confirma apoio à pacificação da RCA
Angola confirma apoio à pacificação da RCA

Embaixador Francisco da Cruz agradeceu o apoio da União Africana nos esforços de paz
Fotografia: DR

A garantia foi deixada ontem, em Addis-Abeba (Etiópia), pelo embaixador Francisco da Cruz, na 848ª sessão do Conselho de Paz e Segurança da União Africana (UA), que analisou a implementação do Acordo Político para a Paz e Reconciliação na RCA.
No quadro dos compromissos assumidos, Angola esteve presente na 2ª Reunião do Grupo Internacional de Apoio à RCA, realizada a 17 de Abril, em Bangui, sob os auspícios do Presidente Faustin Archange Touadera, referiu o diplomata.
Na sua alocução, Francisco da Cruz saudou os esforços desenvolvidos pela UA, através do Comissário para a Paz e a Segurança, embaixador Smail Chergui, na procura de uma solução sustentável na RCA, bem como a CEEAC, sob presidência do Gabão. “Saudamos também a nomeação, a 22 de Março último, pelo presidente da Comissão da União Africana, Moussa Faki, do embaixador angolano Matias Bertino Matondo, como novo Representante Especial da UA para a RCA. Julgamos que o seu papel será importante para o engajamento contínuo da UA no processo de paz”, declarou.
O Executivo angolano considera também importante o engajamento das Nações Unidas e outros parceiros internacionais, como a União Europeia, no apoio às autoridades centro-africanas na procura da paz e da estabilidade do País.
“Neste sentido, apelamos que seja providenciada à RCA a assistência financeira prometida pela comunidade internacional, necessária para a implementação, com sucesso, do processo de paz”, disse.
Para Angola, sublinhou, “a paz e a estabilidade em cada um dos nossos países e a boa vizinhança são a garantia da paz regional. Neste sentido, nas nossas relações bilaterais e sub-regionais devem prevalecer os princípios do respeito mútuo, da solidariedade e da não-agressão, que excluem, em absoluto, qualquer espécie de apoio à subversão”.
O embaixador frisou que “cada Estado deve constituir-se na garantia de segurança dos outros, para a criação de um clima de boa vizinhança e o estabelecimento de relações estáveis e duradouras, necessárias para o desenvolvimento e para a sua afirmação no plano internacional”.
“Como um país que viveu dezenas de anos confrontado com um conflito armado e soube encontrar os caminhos para uma paz sustentável e uma unidade nacional forte, dentro de uma convivência democrática inclusiva e dinâmica, Angola mantém-se engajada em partilhar a sua experiência”, rematou.
O mandato de dois anos de Angola no CPS termina a 31 de Março de 2020. Fazem também parte do Conselho, Argélia, Burundi, Djibouti, Guiné Equatorial, Gabão, Quénia, Lesotho, Libéria, Marrocos, Nigéria, Rwanda, Serra Leoa, Togo e Zimbabwe.

JA

Tags
Mostrar Mais

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Back to top button