Luta contra a corrupção cumpre a Carta Africana

A luta de Angola contra a corrupção circunscreve-se no espírito e na letra da Carta Africana Sobre Democracia, Eleições e Governação, de 31 de Janeiro de 2007, afirmou ontem, em Addis-Abeba (Etiópia), o presidente da Comissão do Direito Internacional da União Africana, embaixador Sebastião da Silva Isata.

Embaixador Sebastião Isata assinala os desafios em Angola
Fotografia: DR

De acordo com uma nota da Representação Permanente de Angola junto da União Africana (UA), o diplomata angolano discursava na sessão de abertura da 17ª Sessão da Comissão do Direito Internacional da UA.
Segundo ainda Sebastião Isata, o combate desencadeado por Angola enquadra-se, também, na Convenção Africana Contra a Corrupção, adoptada em Maputo, em 9 de Outubro de 2003.
O diplomata considerou que o trabalho que o Governo angolano tem empreendido na luta contra a corrupção constitui um exemplo para o continente africano.
A este respeito propôs o nome de Angola para alber-gar a próxima reunião da Comissão para a Paz e Segurança da União Africana que terá como lema “A Democracia Constitucional, o Estado de Direito e o Combate à Corrupção”.
Em 2018, a reunião teve igualmente lugar em Addis-Abeba, em 2017 na Guiné Equatorial, 2016 no Ghana e em 2015 no Egipto.
Na sessão de abertura da reunião de ontem participaram o comissário para a Paz e Segurança da União Africana, membros da Comissão do Direito Internacional, assim como do corpo diplomático acreditado em Addis-Abeba.

JA

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *