Fonte: Club-k.net
Fontes próximas das famílias das vítimas, concretizam que as crianças se sentiram indispostas com vómitos e diarreias, logo após de consumirem os alimentos confeccionados pelas cozinheiras daquele colégio.

“É de lamentar o sucedido uma vez que nós pagamos somas avultadas a esta instituição para garantir a todos níveis a segurança dos nossos filhos”, disse um dos encarregados de educação irritado com a situação.

Segundo a nossa fonte, após este triste episódio, o seu filho deixará de consumir os alimentos confeccionados na cozinha do Colégio Angolano de Talatona por razões óbvias. “De agora em diante, o meu filho não vai mais comer nada do CAT antes que morra”, enfatizou a fonte.

O Club K tentou contactar, via telefone, a direcção desta instituição para ouvir a sua versão, mas sem sucesso. Mas, contudo fica o compromisso de trazermos mais dados sobre o assunto. Já a direcção da Associação Angolana dos Direitos do Consumidor (AADIC) manifestou-se preocupada com a situação.

“A ser verdade estamos diante de uma insegurança alimentar que põe em risco de vida as crianças utentes desta instituição, estando assim este fornecedor a incorrer num crime previsto e punível no Código Penal”, rematou a fonte oficial da AADIC.

De realçar que o Colégio Angolano de Talatona abriu a 5 de Janeiro de 2015 e disponibiliza formação desde o ensino pré-escolar até à 12.ª classe, abrangendo um total de 1075 alunos.

De acordo com um comunicado enviado à imprensa, o programa de educação angolana terá nesta escola um reforço curricular da Cambridge International Examinations. “O Inglês e a prática informática constarão dos programas escolares desde o início dos estudos, pretendendo-se uma evolução progressiva e a sua completa fluência e utilização ao nível do ensino secundário”, lê-se na nota.

“O Colégio Angolano de Talatona assume-se como um projecto que tem como primeiro objectivo constituir-se numa alternativa a todos aqueles que procuram qualidade de ensino fora de Angola. Correspondendo assim à necessidade e desejo de muitas famílias, [a escola] será, a curto prazo, uma referência no sector educativo”, diz ainda o comunicado.

Com 43 salas de aulas equipadas com computadores, projectores e quadros electrónicos, o C.A.T. conta também com quatro laboratórios de biologia, geologia, física e química; dois laboratórios de Inglês, com recurso a actividades multimédia; duas salas de formação de informática; três salas para expressão artística, musical e dramática; três espaços para reuniões com pais e encarregados de educação; um pavilhão gimnodesportivo multiuso, ginásios e espaços desportivos polivalentes ao ar livre; uma mediateca, com mais de dois mil livros, em português e inglês, para além de computadores para acesso controlado à Internet; um anfiteatro; dois refeitórios e cafetaria; e uma enfermaria.

O empreendimento, cujo investimento foi de cerca de USD 22 milhões, criou este ano 112 postos de trabalho, sendo 48 para docentes a tempo inteiro, sete para docentes a tempo parcial, 10 para estagiários, 10 para auxiliares e 37 para não docentes.