Esquema de vaga no ministério da saúde

Foram dadas  como “consistentes”  recentes denuncias  de  ocorrência de uma esquema de vaga para admissão de quadros no ministério da saúde de Angola na qual são  apresentados como mentor altos responsáveis da direção  dos recursos humanos, como Artur Chitula e um outro quadro identificado  por “Martins”.
A denuncia tem como fonte a participação/ reclamação  feita por  um grupo de cinco   enfermeiras que foram admitidas a margem do concurso realizado em Setembro de 2016, em obediência ao artigo 10 do decreto presidencial  102//11 de Maio.
 As profissionais concorreram a nível da  província de Luanda onde deveriam trabalhar. Porém, logo apos ao concurso foram convocadas pelos responsáveis dos recursos humanos (Artur Chitula e Martins) de que não poderiam ser enquadradas em Luanda, por alegada falta de vaga  mas que teriam  um segundo plano que seria de despacha-las para a província do Kuando Kubango, caso contrario perderiam a oportunidade de ingresso na função publica.
 Vendo-se sem saída as enfermeiras, aceitaram o desafio e mudaram-se com as suas respectivas famílias para a província do Kuando Kubango.  Postas lá depararam-se que não lhes foi dada as condições de trabalho e de acomodação prometidas.  Na participação feita, as mesmas   reclamam que foram postas a viver numa residência em que são  obrigadas a   partilhar  os  quartos com as outras colegas algo que não fazia parte do acordo.
As mesmas reclamam que fizeram concurso para trabalhar   em Luanda e não para o Kuando Kubango onde foram despachadas. No seguimento de diligencias, veio a se  saber que os responsáveis dos recursos humanos terão   feito esquemas facilitando ou “vendendo” as vagas de Luanda para outras pessoas de sua conivência e  por sua vez despacharam para fora da capital do países  as enfermeiras que ganharam o concurso.
Revoltadas as mesmas não viram outra saída, senão levar o caso para a justiça para a devida reposição da normalidade e consequentemente o seu regresso a Luanda, para preencherem as vagas na qual tem direito por concurso publico.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *