AngolaNotícias

Temos em Angola professores-doutores que nunca escreveram um artigo científico

O vice-reitor para investigação científica da Universidade Jean Piaget, Rui Brochado, admitiu ser difícil a realização de trabalhos de investigação científica em Angola, por não haver ainda tradição para a sua produção.

Fonte: JA

Rui Brochado
Rui Brochado

Em declarações ao Jornal de Angola, Rui Brochado afirmou que, nas grandes universidades internacionais, um professor doutorado, para manter a sua categoria na carreira de associado e catedrático, é obrigado a publicar no mínimo um artigo científico por ano.

“Temos em Angola professores doutorados que, desde que defenderam o doutoramento, nunca mais publicaram um artigo”, avançou, para quem é profundamente errado e contrário àquilo que é actividade de um professor doutor.

O professor universitário exemplificou que Cabo Verde tem reconhecimento pela produção científica, estando no topo do ranking da Unesco, porque “naquele país, tudo funciona de forma muito espontânea e, em Angola, como funciona como uma locomotiva, tem de se estar atrás das pessoas.”

No que toca às dificuldades para a produção de estudos, o docente apontou a crise económica como a primeira e acrescentou que compete ao Governo angolano estar atento à investigação, devido aos constrangimentos que as instituições do ensino superior enfrentam, ligados à falta de divisas e elevadas burocracias nos serviços alfandegários.

“Para a investigação, é necessário laboratórios, equipamentos, consumíveis, mas as universidades têm muitas dificuldades de importar”, indicou, explicando que a Jean Piaget de Portugal tem oferecido gratuitamente à sua congénere em Angola material de laboratório, que fica retido na alfândega por muito tempo, devido à excessiva burocracia.

Rui Brochado adiantou que a estratégia do Ministério do Ensino Superior, Ciência, Tecnologia e Inovação de dinamizar e forçar as universidades a trabalharem na investigação é positiva, mas devia haver por parte de outros ministérios uma abertura, no sentido de facilitar a importação do material necessário para a produção de pesquisas.

Sobre a insuficiência de professores doutorados, o pesquisador sublinhou que a Universidade Jean Piaget tem cinco docentes a frequentar o Doutoramento, no exterior do país, com o auxílio da instituição. Desde 2018, altura em que começou a dirigir a área de investigação científica da Universidade Piaget, Rui Brochado diz verificar um grande interesse de um grupo de jovens professores na pesquisa. Entretanto, a instituição está a incentivar os mestres e doutorados a fazerem carreira em investigação científica.

Conjugação

O vice-reitor para investigação científica da Universidade Piaget apontou que, apesar da crise que afecta o tecido industrial e aumenta a incapacidade de se encarar os projectos de investigação científica, é fundamental existir parcerias com empresas para haver investimento em pesquisa. Em relação à aplicação prática dos estudos realizados, Rui Brochado disse que do ponto de vista social a própria Universidade Jean Piaget está a fazer um trabalho virado ao apoio à sociedade e as crianças, na zona do Capalanca, circunscrição onde está a instituição.

Para este ano, a Jean Piaget tem em curso estudos de investigação sobre “violência doméstica” e “crianças abandonadas”, dois problemas que ainda afectam a sociedade e às famílias angolanas.

“A investigação custa milhões de kwanzas e, por falta de patrocínios, temos tido o apoio da entidade promoto-ra”, revelou o vice-reitor para a área de investigação científica. Há mais de 30 anos na docência, 25 dos quais na Universidade Piaget de Portugal, Cabo Verde e Angola, Rui Brochado salientou que, quando o Ministério do Ensino Superior, Ciência, Tecnologia e Inovação orientou as universidades a criarem um centro de investigação, a Jean Piaget já tinha essa área a funcionar, há um ano, ou seja, desde 2016.

“A Universidade Piaget Angola pertence a um conjunto de escolas de ensino superior, espalhadas por vários países do mundo, nomeadamente Portugal, Cabo Verde, Brasil e Moçambique, que já realizam trabalhos de investigação, há vários anos, cuja experiência é vasta”, acentuou.

Rui Brochado lembrou que, antes da criação do centro de investigação, a universidade já realizava e publicava várias pesquisas com investigadores das diferentes faculdades.

Explicou que este centro de investigação, recentemente criado, coordena toda a actividade de pesquisa realizada por cada unidade orgânica.

A aludida universidade tem uma revista científica, publicada uma vez por ano, estando na sua quarta edição.
“É uma revista devidamente registada e, neste momento, temos algumas publicações a nível internacional”, salientou, para lembrar que, há dias, um professor da área de línguas da Universidade Jean Piaget, publicou um estudo numa revista científica da Suécia.

“Eu próprio tenho artigos publicados em várias revistas internacionais de língua inglesa, por exemplo no norte da Europa”, disse, apresentando em seguida ao Jornal de Angola algumas destas revistas. “A investigação faz parte da ciência e é filosofia da entidade promotora da universidade investir nesta área”, acrescentou de forma lacónica.

A Universidade Jean Piaget repartiu os docentes em dois grupos, nos quais alguns estão apenas a realizar trabalhos de docência e outros têm no seu horário uma carga horária só para investigação.

Em termos de investimentos para a realização de trabalhos científicos, Rui Brochado afirmou que aquela instituição tem protocolos com outras universidades angolanas e estrangeiras, no campo da investigação científica.

Igualmente, a referida instituição do ensino superior perspectiva assinar outros protocolos com empresas e organizações que necessitem de estudos nas áreas de saúde e tecnologias.

Tags
Mostrar Mais

Ernesto

Escritor e Editor de Noticias no site Angola Nossa.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Back to top button